Você já ouviu falar no DuckDuckGo, um genérico do Google que está crescendo?

Quando alguém fala em motor de busca na internet, automaticamente pensamos no Google, e isso provavelmente não vai mudar tão cedo.

Ainda assim, um outro buscador está crescendo consistentemente em outros países e, por isso, merece um pouco de atenção. É o DuckDuckGo, que tem como grande diferencial não armazenar, rastrear nem utilizar informações pessoais dos usuários.

Outdoor bate no diferencial: “O Google rastreia você. Nós não”. Fonte: Rewind & Capture.
Outdoor bate no diferencial: “O Google rastreia você. Nós não”. Fonte: Rewind & Capture.

O uso de dados coloca em risco a privacidade dos usuários, o que tem gerado críticas e reações contra gigantes, como Google e Facebook. É no respeito à privacidade que o buscador genérico aposta como diferencial para ganhar terreno.

Home do DuckDuckGo.
Home do DuckDuckGo.

A postura vem ganhando simpatizantes de peso. Em 2018, um artigo da Forbes chegou a recomendar que os usuários adotem o DuckDuckGo em vez do Google como buscador padrão. E não foi uma orientação meramente ideológica para uma minoria. O uso da ferramenta vem crescendo nos últimos anos, especialmente nos Estados Unidos.

Buscas feitas usando DuckDuckGo entre 2011 e 2018.
Buscas feitas usando DuckDuckGo entre 2011 e 2018.

Segundo o aplicativo Similar Web, o DuckDuckGo já é o 49º site mais visitado do mundo. Tem mensalmente 641 milhões de visitas. No Brasil, porém, ainda é um ilustre desconhecido. Os países que mais o utilizam são Estados Unidos (35,6% das buscas), Reino Unido (8,9%), Alemanha (6,1%), Canadá (5,5%) e França (4,9%). Os dados são de março de 2019.

DuckDuckGo no Similar Web

A título de comparação, o Google tem 64,1 bilhões de visitas mensais segundo a mesma medição via Similar Web. E o Brasil figura como o segundo maior usuário (5,3%), atrás apenas dos Estados Unidos (23,1%).

Até mesmo o Bing, concorrente mais conhecido do Google, tem números mais expressivos que o DuckDuckGo: 1,3 bilhão de visitas por mês. Mas há uma diferença: o Bing não dá a sensação de que vá avançar muito além do patamar de hoje. Sua proposta é muito parecida com a do rival mais rico.

O DuckDuckGo, por sua vez, tem funcionamento e posicionamento mais claros que o Bing, e isso lhe confere um potencial de crescimento mais promissor.

Do ponto de vista técnico, ele utiliza várias fontes de pesquisa, como Yahoo! Search BOSS, Wikipédia e o seu próprio rastreador web, chamado de DuckDuckBot. Além de não armazenar dados individuais de navegação dos usuários, oferece a possibilidade de os resultados de buscas trazerem sites comerciais ou não-comerciais.

Em 2018, ao completar dez anos de vida, o DuckDuckGo levantou US$ 10 milhões em investimentos junto à OMERS Ventures. Suas duas fontes de receita, segundo o Four Week MBA, são publicidade online e programas de afiliação. Sim, desde 2014, a empresa faz dinheiro usando modelos comerciais convencionais. Não é, portanto, uma ONG. Tampouco tem aversão a dinheiro. A única diferença é a forma como manuseia os dados de seus usuários.

Devemos dar ao DuckDuckGo importância similar à do Google em termos de SEO? Por enquanto, não. O Google ainda é muito maior. Mas sempre convém ficar de olho em serviços que começam a se destacar, pois podem ser relevantes no futuro.

Curiosidade: o nome

A tradução literal do nome DuckDuckGo é “Pato, Pato, Vai”. Não faz sentido em português, mas a origem é uma brincadeira infantil muito popular nos Estados Unidos, chamada “Duck, Duck, Goose” (“goose” é ganso em inglês). É semelhante à brincadeira que, no Brasil, chamamos de “Jogo do Lencinho”.  

O nome “Duck Duck Goose” é tão popular nos Estados Unidos que em 2018 virou um filme de animação, disponível no Netflix. T
O nome “Duck Duck Goose” é tão popular nos Estados Unidos que em 2018 virou um filme de animação, disponível no Netflix.

Takeaways

Embora o Google continue sendo o centro nervoso da internet, uma alternativa começa a crescer nos Estados Unidos. É o DuckDuckGo, que se diferencia pela promessa de não usar dados das pessoas. Seu número de usuários ainda é modesto, mas aumenta rapidamente. E recebe recomendações de peso, como um artigo da Forbes.

Ouça este post

Você pode ouvir o conteúdo deste post no episódio #129 do podcast Takeaways.

Ouça o Takeaways também no Spotify, iTunes e Stitcher.∞

Cassio Politi

Sobre o autor: Cassio Politi é fundador da Tracto. Implantou programas de content marketing em empresas do Brasil e em multionacionais. Autor do primeiro livro em língua portuguesa sobre content marketing, publicado em 2013, é o único sul-americano a compor o seleto júri do Content Marketing Awards. Desde 2016, é palestrante em eventos no Brasil e no Exterior, normalmente apresentando cases bem-sucedidos de seus clientes.