Você sabia que o Guinness Book vem da cerveja Guinness?

Eu nunca tinha me dado conta de que o Guinness Book é fruto de uma ação de content marketing. De repente, me deparei com um post do site Aventuras na História que conta como surgiu o livro dos recordes.

Se você quiser conhecer um pouco da história, recomendo a leitura do post do Aventuras na História, de onde extraí os fatos mais importantes para trazer o caso ao contexto do content marketing.

Em 1951, um diretor da cervejaria irlandesa Guinness discutia com amigos qual era, afinal, a ave mais veloz do mundo. Foi dali que surgiu a ideia de reunir os recordes em uma só publicação.

Cerveja Guinness

A primeira edição do livro foi publicada em 1955, com uma capa verde e tiragem de 50 mil exemplares.

Guinness Book 1955

Em 1956, a tiragem saltou para 70 mil. De lá para cá, só cresceu. Atualmente, são 4 milhões. Contando todos os exemplares vendidos na história, a soma é impressionante: 100 milhões. Não por acaso, “Guinness” virou sinônimo de recorde dos recordes em muitos idiomas.

Guinness Book 1995
Fui buscar na prateleira a primeira edição que tive. Lá estava ele, o Guinness Book de 1995, então com 40 anos de vida.

Milhares de pessoas já se dedicaram a desempenhar uma atividade que as colocasse na publicação. Ainda segundo o Aventuras na História, os editores do Guinness Book recebem 2.250 solicitações por ano.

Na edição impressa, que vai para as livrarias sempre perto do Natal, cabem 4 mil recordes. Desses, 320 são permanentes e 500, atualizados. Portanto, a maior parte do conteúdo se renova anualmente.

Guinness Book 2018
Edição de 2018: mais de 4 milhões de exemplares.

Em 2001, a cervejaria vendeu a marca para a Gullane Entertainment. Depois disso, ela foi vendida mais três vezes e hoje pertence ao Jim Pattinson Group, do Canadá. Embora não seja mais a proprietária, a cervejaria continua assinando a publicação.

O único ponto que cabe questionar sob a ótica do content marketing é a pouca associação que as pessoas fazem entre a cerveja e o livro. O próprio título deste post sugere uma dissociação. Ainda assim, o caso Guinness Book se soma a muito outros que apresentamos, e que valem a pena ser lidos. Mostram que o princípio de uma marca se comportar como empresa de mídia é o alicerce do content marketing.

Takeaway

O livro foi criado em 1955 para registrar recordes de todos os tipos. Foram mais de 100 milhões de exemplares vendidos desde então. Por isso, é um caso histórico de content marketing.

Ouça este post

Você pode ouvir o conteúdo deste post no episódio #127 do podcast Takeaways.

Ouça o Takeaways também no Spotify, iTunes e Stitcher.∞

Cassio Politi

Sobre o autor: Cassio Politi é fundador da Tracto. Implantou programas de content marketing em empresas do Brasil e em multionacionais. Autor do primeiro livro em língua portuguesa sobre content marketing, publicado em 2013, é o único sul-americano a compor o seleto júri do Content Marketing Awards. Desde 2016, é palestrante em eventos no Brasil e no Exterior, normalmente apresentando cases bem-sucedidos de seus clientes.