Por que tanto ódio pelos formadores digitais de opinião?

Ocasionalmente, um pensamento amadurece dentro de mim por algum tempo antes de eu finalmente agir sobre ele.

Hoje é um dia desses.

Formação de opinião na era digital
Tenho notado uma tendência online estranha desde o ano passado especificamente na esfera digital (social, conteúdo, tecnologia etc.).

Eis a tendência:

As pessoas odeiam formadores de opinião.

E quem são os tais formadores de opinião (neste texto)?

Basicamente, eles são as principais pessoas que você vê falando em conferências, em blogs populares, escrevendo livros etc.

Eles têm opiniões. Eles dizem muito. Eles falam muito. E eles chamam a atenção.

Mas é essa “atenção” que não combina com os odiadores.

Por quê?

Pelo que tenho observado, há duas razões principais:

  1. Odiadores (e críticos… chame do que você quiser) não percebem os formadores de opinião como “fazedores”. (Este é o argumento principal.)
  2. Odiadores, admitam ou não, não recebem dos formadores de opinião a atenção pessoal que gostariam de ter.

Mas o ponto é: eu entendi. Passei quase dois anos escrevendo no The Sales Lion até que alguém me desse bola.

Eventos não me chamavam. Eu não estava em nenhuma “lista dos melhores”. E muitas vezes eu me perguntava se meus pensamentos eram a versão digital de uma árvore caída na floresta.

Finalmente, as coisas mudaram. Finalmente, fui notado.

Fiz algumas listas.

Fui convidado para conferências.

E o resto é história.

Estou nesse jogo há quase seis anos, e é provavelmente por isso que eu me encontro voando no meio da noite enquanto escrevo este post, em um avião de uma palestra para outra.

Mas este foi apenas um período, e a capacidade que eu tenho que olhar para trás e refletir me dá uma perspectiva e um desejo de partilhar as minhas opiniões, que se resumem a isso:

1. Não é porque você faz algo que tem a capacidade de ensinar bem
Eu vou para várias conferências e eventos. Em quase todas, vejo uma mistura de alto-falantes e qualidade.

Mas há muitas vezes um fator principal pelo qual os “fazedores” ainda não se tornaram formadores de opinião em seu espaço:

Um percentual muito elevado não faz boas apresentações.

E porque muitos não apresentam ou falam bem em frente a uma plateia, o valor de sua mensagem é perdida em sua falta de habilidades.

Isto pode soar terrivelmente vil de minha parte, mas é verdade. Pergunte a qualquer organizador do evento. O fato de você ter um conjunto de tremendas habilidades não significa que você pode transmitir ou ensinar esse conjunto de habilidades para um público de 10, 100, ou 1.000 pessoas de forma eficaz.

Mais uma vez, gostaria que não fosse assim. Qualquer um que me conhece sabe que a minha paixão é ajudar os outros a se comunicar melhor. Eu também percebo que existem muitas jóias escondidas por aí que simplesmente não foram encontradas ou notadas ainda. Dito isto, se um apresentador em uma conferência tem uma entrega pobre, ele prejudica a conferência. Prejudica a marca do evento. E, eventualmente, pode rebaixar o nível da conferência.

No outro lado da moeda, se um apresentador, seja ele ou ela um “fazedor” ou não, oferece uma apresentação surpreendente, ele por si só pode ser o catalisador para que um evento vá de médio a grande aos olhos de um participante.

2. O mundo está repleto de líderes de pensamento que não são “fazedores”
Você já deve ter ouvido falar de Malcolm Gladwell. Ele é um autor famoso e é convidado para falar em megaeventos por um preço que faria a maioria das pessoas dar um tapa na própria testa. Mas o ponto sobre Malcolm é: ele não possui um negócio. Ele não está na rotina de vida social, tecnologia, vendas ou marketing, ou qualquer dessas coisas.

Ele é um jornalista.

No entanto, ele é famoso.

E a razão pela qual ele é famoso é porque ele é um pesquisador de classe mundial que pode contar uma história.

As pessoas podem questionar Seth Godin se quiserem, mas, para mim, a sua grandeza é definida pelo seu impacto… e o impacto tem sido inacreditável.

Ou então veja o Seth Godin.

Eu amo o Seth Godin. O cara tem impactado centenas de milhares de empresas em todo o mundo.

Mas ao longo da última década, pode-se argumentar que o Seth realmente não foi um “fazedor”.

Em outras palavras, se você assistir aos seus discursos nos dias de hoje, ele não gasta muito tempo falando sobre suas experiências, seus clientes ou suas empresas.

Por quê?

Porque o cara observa, escreve e fala. Para a maioria, isso é o que ele faz. Ele não quer ter uma agência digital grande como Gary Vaynerchuk. Para ele, é preferível estudar o que todo mundo está fazendo. Godin é um genial observador do bom, do ruim e do feio. Ele vê ao redor da curva. E porque ele pode fazer isso, e depois dizer ao público o que ele vê de uma forma tão poderosa, conferências lhe pagam uma incrível quantidade de dinheiro.

Eu digo: bom para ele.

O cara mudou milhares de vidas para melhor, e é exatamente por isso que não me importo nem um pouco se alguém gostaria de classificá-lo como um “fazedor” ou não. É irrelevante.

Meu ponto é este: as plateias (e não os trabalhos pessoais) determinam o valor de um alto-falante e de um formador de opinião. É isso. E se 95% do público adora o apresentador, não importa o que os outros 5% julgam “digno” de sua avaliação positiva.

3. Conferências precisam fazer dinheiro
Isso se alinha com o item #1, mas ele precisa de uma menção separada.

Como muitas pessoas sabem, eu tenho uma relação estreita com o HubSpot. De muitas maneiras, eles salvaram o meu negócio de piscinas. Ao longo dos anos, eles têm sido muito bons para mim, e fui muito bom para eles.

No início deste ano, sabendo que a conferência Inbound estava se aproximando, em setembro, escrevi um e-mail para os meus amigos — Brian Halligan e Dharmesh Shah, os fundadores da HubSpot —, e fiz um pedido. Foi algo assim:

“Gente, se é que posso ser ousado, estou triturando o Inbound Stage há quatro anos. Tenho uma história que sei que vai comover o público. Vocês considerariam a possibilidade de me terem como um keynote em 2015?”

A resposta veio de Brian Halligan. Parafraseando, era mais ou menos assim:

  1. Você tem uma grande história, e nós sabemos que você traz valor para o público.
  2. Mas sua marca não é grande o suficiente. Keynotes têm de vender os ingressos. Esta é a realidade dos grandes eventos.
  3. Precisamos de diversidade em nossas palestras, e ter um outro almofadinha (além Seth Godin e Dan Pink) não é adequado.

Algumas pessoas que lêem esta resposta podem estar incomodadas pela franqueza de Halligan. Mas assim que eu li, minha resposta foi algo como isto:

“Ele está certo.”

E ele estava.

Grandes nomes movimentam as bilheterias. Eles criam buzz.

Para uma conferência maciça como Inbound, a minha marca pessoal não chegou lá… ainda.

É difícil para mim engolir isso? Eu não sei, para ser honesto. Mas eu sei que me motiva a dar ainda mais duro, sabendo que minha hora vai chegar, mas só quando eu merecer.

Não é a crítica que conta
Se Theodore Roosevelt lesse um post do Facebook de um de seus amigos reclamando de “formadores de opinião”, ele provavelmente iria responder algo assim:

“Pare de reclamar. Comece a fazer. Você é a solução”

Acredito firmemente que nada se resolve reclamando das pessoas que sentimos não merecer ser marca e ter status.

O mercado dita o que dita e, se alguém para de entregar valor ao seu público, então os resultados vão cuidar de si mesmos.

Mas, pelo Amor de Deus, vamos parar com a tagarelice de os “líderes do pensamento são falsos”. Julgue-os por suas plateias. Julgue-os por seu impacto.

E, enquanto isso, vamos voltar a trabalhar em nós mesmos, não é mesmo?∞


Este artigo foi originalmente publicado no site The Sales Lion (em inglês), com o título “Why All the Hate for the Digital Thought Leaders?“.


Marcus Sheridan é fundador da consultoria The Sales Lion, empresa especializada em ajudar pequenas e médias empresas a desenvolver a cultura de content e de inbound marketing. É autor e palestrante, além de sócio da River Pools & SPA, um dos mais relevantes cases de content marketing do mundo.

Baixe o e-book Inbound and Content Marketing Made Easy, que já foi baixado por mais de 24 mil pessoas.

→ A Tracto recebeu explícita autorização de Marcus Sheridan para traduzir e publicar este artigo.