Esta técnica simples de redigir conteúdo vai melhorar a sua produtividade

Compartilho aqui uma técnica de produção de conteúdo que desenvolvi para melhorar a produtividade. Esta técnica prevê que o conteúdo seja estruturado com base em três perguntas:

  • O quê?
  • Por quê?
  • E daí?

Na prática, funciona da seguinte forma: quando criar um conteúdo, você deve responder às três perguntas. Inicialmente, você faz objetivamente a afirmação principal (“o quê?”). Então, você sustenta aquela afirmação (“por quê?”). Por fim, você torna o post útil para o leitor, com uma instrução prática (“e daí?”).

Vejamos um exemplo. Suponha que você vá redigir um post que explique que WordPress é uma excelente ferramenta de construção de sites. A estrutura do post seria algo assim:

  • O quê? A opção de usar WordPress deve ser considerada por toda empresa na hora de fazer um site. Não se trata mais de uma plataforma amadora de blogs. Basta observar que grandes empresas, como CNN, National Geographic e Mashable, o utilizam.
  • Por quê? Por ser uma solução de código aberto, o WordPress tem custo baixo — ou zero. Por isso, 27,5% dos sites existentes na web são feitos com WordPress.
  • E daí? Se você decidir adotar WordPress, terá três opções: instalar por conta própria seguindo os passos recomendados no tutorial do próprio WordPress, contratar uma agência especializada ou contratar um freelancer.

Perceba que os três elementos são apenas a espinha dorsal do seu post. A partir daí, você escolherá o nível de profundidade. Por exemplo, você poderá apenas citar grandes empresas que usam WordPress ou detalhar os exemplos. Poderá apresentar mais dados da popularidade do WordPress ou, então, listar prós e contras em comparação com outras soluções. E, ainda, poderá apenas indicar tutoriais de instalação ou redigir um tutorial completo.

Elementos de sustentação das três perguntas

Na resposta de cada uma das três perguntas, você deve incluir pelo menos um elemento de sustentação, que é uma prova ou evidência que dá suporte àquilo que você afirma. Não basta afirmar. É preciso convencer — e provar.

Os três principais elementos de sustentação são:

  • Estatísticas retiradas de estudos confiáveis, como pesquisas ou levantamentos de dados.
  • Declaração de um especialista ou fonte confiável, como um site, livro, revista ou afim.
  • Apresentação de exemplos de mercado, como uma empresa ou um estudo de caso.

Os elementos de sustentação conferem credibilidade. Quem se obriga a incluir no mínimo três dessas evidências em seu conteúdo automaticamente se obriga a pesquisar. Isso, por si só, minimiza o risco de o texto se tornar raso. Quanto mais consistentes e bem encaixados forem esses elementos, mais profundo e confiável o conteúdo será.

No exemplo do WordPress, há um elemento presente em cada resposta — com links para a origem, inclusive.

Técnica inspirada no Jornalismo

Esta técnica de produção de texto pode ser aplicada a conteúdo de texto, áudio, vídeo ou evento. Para conteúdos mais extensos — como e-books, white papers, vídeos longos etc. —, é recomendável que você insira a técnica seguidas vezes. Por exemplo, num post longo, cada intertítulo pode corresponder a um conjunto de “o quê?”, “por quê?” e “e daí?”.

Tão importante quanto saber aplicar uma técnica é ter a capacidade de adaptá-la às circunstâncias. Muitas vezes, você vai estruturar o texto baseado nesta técnica de três perguntas. No entanto, quem tem experiência sabe que, conforme você redige, a estrutura inicial vai se perdendo para que as ideias sejam apresentadas numa sequência lógica.

Não tem problema: a técnica terá sido útil como pedra fundamental para a organização das ideias. Não é obrigatório manter o formato até o conteúdo final — embora isso aconteça naturalmente na maioria das vezes.

No Jornalismo, a primeira lição absorvida por um foca (apelido dado aos novatos nas redações) costuma ser o conceito da Pirâmide Invertida, segundo o qual as informações mais importantes vêm nos dois primeiros parágrafos do texto. Neles, o jornalista precisa responder a quatro perguntas: “o quê?”, “quem?”, “quando?” e “onde?”. Nos demais parágrafos, responde a mais duas: “por quê?” e “como?”. Assim, o leitor que se limitar a ler o título e as primeiras linhas terá compreendido o mais importante daquela notícia. Aprofundar-se, lendo até o final, será uma opção.

No entanto, se você prestar atenção a um grande portal de notícias, jornal ou telejornal, notará que nem todas as notícias obedecem a essa sequência. Por uma questão de estilo ou de simples ordenação lógica das informações, muitas vezes o jornalista — especialmente, o mais experiente — quebra essa sequência. É muito provável que ele tenha começado a escrever com a Pirâmide Invertida em mente, mas tenha optado por reorganizar o conteúdo na hora de redigir.

Percebe a semelhança da Pirâmide Invertida com esta técnica das três perguntas?

Cabe colocar, ainda, que a técnica das três perguntas não é obrigatória para todos os seus textos. Você pode ocasionalmente optar por formatos que dispensam esta técnica. Por exemplo, um texto opinativo ou um tutorial (como este post, aliás).

A técnica funciona como uma trilha, mas não como um trilho.∞

Cassio Politi

Sobre o autor: Cassio Politi é fundador da Tracto. Implantou programas de content marketing em empresas do Brasil e em multionacionais. Autor do primeiro livro em língua portuguesa sobre content marketing, publicado em 2013, é o único sul-americano a compor o seleto júri do Content Marketing Awards. Desde 2016, é palestrante em eventos no Brasil e no Exterior, normalmente apresentando cases bem-sucedidos de seus clientes.