Palavras-chave em até 63 caracteres funcionam bem em títulos

Títulos em matérias online são normalmente uma síntese do texto. Ao redigi-los, convém posicionar as palavras-chave nos primeiros 63 caracteres. Esse cuidado ajudará a sua matéria a ganhar força nos resultados de mecanismos de busca, em especial o Google.

Perceba que não se trata de limitar o título a esse tamanho, o que seria uma regra contraproducente. Afinal, muitas vezes o tema tratado é complexo demais para ser destacado em tão poucas palavras. Por isso, o importante é posicionar as palavras-chave nos primeiros 63 caracteres. Ou seja, no começo da frase.

A orientação tem base em SEO. Os mecanismos de busca leem o código-fonte da página de cima para baixo, da esquerda para direita. Como os resultados normalmente apresentam os primeiros 55 a 63 caracteres do título, esse pedaço do seu título tende a pesar mais no ranking do Google.

Parcimônia
Não leve a orientação dos 63 caracteres a ferro e fogo. Afinal o título de uma publicação não é o único responsável pelo seu posicionamento nos motores de busca ― e muitas vezes não é nem sequer o principal.

Façamos um teste. No dia 23 de maio, o jovem Elliot Rodger assassinou seis pessoas na cidade de Santa Barbara, na California (Estados Unidos) e cometeu suicídio em seguida. Soube-se depois que ele era filho de Peter Rodger, assistente de direção do filme Jogos Vorazes.

Suponha que um internauta pouco informado sobre a tragédia procure no Google informações usando as palavras-chave “atirador jogos vorazes”. Eis o resultado da busca:

Palavras-chave em até 63 caracteres funcionam bem em títulos (2)

Clique na imagem para vê-la ampliada.

Note que os cinco primeiros resultados trazem as palavras-chave buscadas justamente nos 63 primeiros caracteres.

Neste segundo exemplo, suponha o internauta esteja mais familiarizado com o assunto e busque pelo nome do personagem central dos crimes em série.

Palavras-chave em até 63 caracteres funcionam bem em títulos (1)

Clique na imagem para vê-la ampliada.

Perceba que o primeiro resultado apresenta o nome de Elliot Rodges, mas os seguintes não. Como dito alguns parágrafos atrás, o título é importante, mas outros componentes ― como title da página, URL, subtítulo, corpo do texto, legenda de foto etc. ― também sinalizam para os motores de busca qual o assunto em questão.

Conclusão
A boa notícia para jornalistas é que o Google privilegia justamente aquilo que a redação contemporânea recomenda: objetividade e prioridade para os aspectos mais relevantes.∞