5 motivos para você preferir textos curtos

O bom jornalista é aquele que escreve pouco, e não muito. É claro que nem sempre é possível escrever pouco. Alguns assuntos exigem profundidade. Mas, sempre que possível, prefira textos de menos de 1.500 caracteres. Por cinco motivos:

1. Concorrência
Seu público recebe conteúdo de várias fontes sobre diversos temas de interesse. Os materiais de consumo rápido têm mais chance de ganhar prioridade.

2. Foco
Para ser curto sem ser fútil, um texto precisa tratar de um só tópico. Portanto, a objetividade cresce.

3. Produção
Textos curtos são mais fáceis de se produzir. Ainda que o processo de apuração seja sempre trabalhoso, matérias pequenas representam economia de tempo.

4. Imagens
Quem tem o hábito de escrever pouco tende a usar imagens e infográficos como suporte para o texto. Esses elementos visuais são bem-vindos, pois enriquecem seu material.

5. Curadoria
É possível extrair um aspecto específico de fontes como pesquisas, artigos, e-books e outras, e transformá-lo em matéria. Assim você otimiza as fontes, fazendo-as render várias pautas rápidas em vez de uma grande, pesada e trabalhosa matéria.∞

Cassio Politi é fundador da Tracto e do All Metrics. Foi em 2016 palestrante do Content Marketing World, o principal evento do tema no mundo, em Cleveland, nos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, foi apontado pela Traackr como o 9º mais influente profissional de marketing de conteúdo da América Latina. E aparece na lista dos 50 mais influentes do mundo publicada pelo Top Blogger.

Foi eleito o profissional de content marketing do ano pela Digitalks em 2015. É desde 2014 o único sul-americano a compor o seleto júri do Content Marketing Awards. É autor do livro Content Marketing - O Conteúdo que Gera Resultados, publicado em 2013. Presta consultoria para grandes empresas brasileiras e multinacionais. Já conduziu palestras, treinamentos in company e cursos abertos em 25 estados.

→ Siga no Twitter: @tractoBR.
→ Leia os artigos de Cassio Politi na Tracto.
→ Veja o perfil completo de Cassio Politi.